MOVIMENTO EU SOU ECO

ECOANDO A SUSTENTABILIDADE

ECOPÉDIA

Enciclopédia da Sustentabilidade

Obsolescência programada – O que é, tipos e estratégias dos fabricantes

Obsolescência Programada tipos
Obsolescência programada (ou planejada), entenda o conceito, tipos e estratégias dos fabricantes para gerar consumismo, bem como implicações

O debate sobre obsolescência, travado entre defensores da obsolescência natural e críticos da obsolescência programada (ou planejada), vai além da simples análise de um fenômeno. Na verdade, essa discussão revela intenções e motivações distintas por parte dos participantes, moldando a forma como o tema é abordado e as soluções propostas.

O que é Obsolescência?

A palavra “obsolescência” emana do latim (algo obsoleto), tecendo uma história rica em significados que refletem a mudança constante e a natureza transitória das coisas. Vamos juntos desvendar essa jornada conceitual?

Definição de obsolescência: A obsolescência se refere ao processo pelo qual algo se torna inútil, ultrapassado ou obsoleto devido ao surgimento de algo novo e superior, ou simplesmente pelo desgaste natural do tempo. O conceito se aplica a diversos campos, como por exemplo, a tecnologia, a moda, a cultura, a economia e até mesmo ideias.

Não confundir Obsolescência Natural e Programada (ou planejada)

1- Obsolescência Natural

Obsolescência natural ocorre quando um produto se torna obsoleto devido ao avanço tecnológico, mudanças nas necessidades dos consumidores ou desgaste físico normal ao longo do tempo. Esta forma de obsolescência não é intencional e resulta de fatores naturais e evoluções do mercado. Por exemplo:

  1. Tecnologia: Telefones celulares mais antigos que se tornam desatualizados à medida que novos modelos com melhores funcionalidades são lançados.
  2. Desgaste Físico: Uma geladeira que para de funcionar corretamente após muitos anos de uso contínuo.
  3. Mudanças nas Necessidades do Consumidor: CDs que se tornaram obsoletos com a popularização dos serviços de streaming de música.

Resumindo, na obsolecência natural, os consumidores trocam produtos por necessidade ou desejo de melhorias. Portanto, são motivados pelos avanços tecnológicos, desgaste físico ou mudança nas preferências dos consumidores. Ou seja, essa decisão é variável e dependente de fatores externos e naturais.

2- Obsolescência Programada (ou planejada)

Obsolescência programada (ou planejada), por outro lado, é uma prática intencional realizada pelos fabricantes para garantir que os produtos tenham um tempo de vida útil limitado, forçando assim os consumidores a substituí-los com mais frequência. Esta prática pode ser implementada de várias maneiras, como a inclusão de componentes que falham após um determinado período ou a limitação de atualizações de software. Por exemplo:

  • Eletrodomésticos que usam peças que quebram mais rapidamente do que poderiam, necessitando reparo ou substituição do aparelho.
  • Smartphones que deixam de receber atualizações de software, tornando-os obsoletos apesar de ainda funcionarem fisicamente.
  • Produtos novos lançados frequentemente com pequenas melhorias, incentivando os consumidores a comprar a versão mais recente mesmo que a anterior ainda funcione bem.

Resumindo, na obsolescência programada (ou planejada), os fabricantes induzem os consumidores a trocar produtos devido a falhas planejadas ou descontinuação de suporte (uma estratégia do fabricante). Neste caso, há uma decisão deliberada do fabricante em reduzir a vida útil do produto e aumentar a frequência de compra, manipulando assim o consumidor.

Tipos e estratégias de Obsolescência Programada (ou planejada)

Obsolescência programada pode ser categorizada em diferentes tipos, cada um com suas próprias características e métodos utilizados pelas empresas para encurtar a vida útil dos produtos. Por exemplo:

1. Obsolescência de Função

A obsolescência de função é um tipo de obsolescência programada (ou planejada) que ocorre quando produtos se tornam obsoletos devido ao surgimento de novas tecnologias ou versões aprimoradas que oferecem funcionalidades superiores ou totalmente novas. Esta forma de obsolescência é comum em setores onde o avanço tecnológico é rápido e contínuo, como o de eletrônicos, informática e telecomunicações. Exemplo: A transição de redes 3G para 4G e agora para 5G tornou muitos telefones antigos incapazes de aproveitar as novas velocidades de internet.

Estratégia dos fabricantes: Novos produtos projetados para serem incompatíveis com versões anteriores ou acessórios existentes, forçando os consumidores a comprar novos acessórios ou substituir o produto inteiro.

2. Obsolescência de Qualidade

A obsolescência de qualidade é umum tipo de obsolescência programada onde os produtos são deliberadamente projetados e fabricados com materiais ou componentes de baixa durabilidade, de forma que se desgastam ou falham após um período de uso predeterminado. Essa prática é utilizada para garantir que os consumidores precisem substituir ou reparar os produtos com maior frequência, gerando um ciclo contínuo de consumo. Exemplo: Máquinas de lavar que utilizam componentes plásticos que se desgastam rapidamente, necessitando substituição frequente.

Estratégia dos fabricantes: Produtos fabricados com componentes que têm uma vida útil intencionalmente curta, levando à necessidade de substituição ou reparo frequente.

3. Obsolescência de Desejo

A obsolescência de desejo é um tipo de obsolescência programada (ou planejada) onde os produtos são deliberadamente promovidos para se tornarem indesejáveis ou “fora de moda” em um curto período de tempo, mesmo que ainda sejam funcionalmente adequados. Esta estratégia se baseia no desejo dos consumidores por novos estilos, tendências e status, incentivando a substituição de produtos com frequência, independentemente de sua funcionalidade. Exemplo: Utilização de celebridades e influenciadores para definir tendências e incentivar a compra dos últimos lançamentos.

Estratégia dos fabricantes: Uso de campanhas de marketing e publicidade criam um desejo nos consumidores de possuir os últimos modelos de celulares, carros ou roupas, mesmo que os “antigos” (ou ainda novos) ainda funcionem bem ou estejam em ótimo estado.

4. Obsolescência Técnica

A obsolescência técnica é um tipo de obsolescência programada (ou planejada) em que os produtos se tornam obsoletos porque novas tecnologias ou mudanças nos padrões técnicos tornam os produtos antigos incompatíveis ou ineficazes. Este tipo de obsolescência ocorre frequentemente em setores onde o avanço tecnológico é rápido e contínuo, como a informática, telecomunicações e eletrônicos de consumo.

Estratégia dos fabricantes: Produtos programados para falhar após um certo período de uso ou número de ciclos operacionais.

5. Obsolescência de Software

Neste tipo de obsolescência programada, os fabricantes limitam do suporte e atualizações de software, forçando os consumidores a atualizar seus dispositivos. Exemplo: Computadores e smartphones que não recebem mais atualizações de segurança ou compatibilidade de software.

Estratégia dos fabricantes: as mpresas deixam de fornecer atualizações de software para versões antigas de seus produtos, tornando-os vulneráveis a falhas de segurança e incompatíveis com novos aplicativos e funcionalidades.

6. Obsolescência de Compatibilidade

Neste tipo de obsolescência programada(ou planejada), os produtos que se tornam obsoletos porque novos produtos ou atualizações são incompatíveis com versões anteriores. Exemplos: Programas que utilizam novos formatos de arquivo não compatíveis com versões anteriores do software.

Estratégia dos fabricantes: Novos produtos projetados para serem incompatíveis com versões anteriores ou acessórios existentes, forçando os consumidores a comprar novos acessórios ou substituir o produto inteiro.

7. Obsolescência Percebida

Neste caso, os produtos são percebidos como obsoletos pelo consumidor devido à mudança de estilo, design ou tendências, mesmo que ainda sejam funcionalmente adequados. Exemplo; Mudanças no design de carros, móveis e eletrônicos que fazem com que modelos antigos pareçam ultrapassados.

Estratégia dos fabricantes: Produtos projetados de forma que sejam difíceis ou impossíveis de reparar, incentivando a substituição em vez do reparo.

8. Restrições de Garantia

Limitação das condições de garantia para desencorajar reparos e incentivar a compra de novos produtos. Exemplo: Garantias que excluem peças sujeitas a desgaste, como correias e selos, que geralmente falham primeiro.

Estratégia dos fabricantes: As restrições de garantia são uma estratégia utilizada por empresas para implementar a obsolescência programada (ou planejada), limitando a cobertura e o período de garantia dos produtos. Essas restrições incentivam os consumidores a comprar novos produtos em vez de repará-los, contribuindo para o ciclo de consumo constante.

Exemplos e casos de Obsolescência programada (ou planejada)

Para entendermos melhor essa problemática, vamos analisar alguns exemplos e casos emblemáticos de obsolescência programada em diferentes setores:

1. Lâmpadas:

O Cartel Phoebus: Na década de 1920, as maiores fabricantes de lâmpadas do mundo se uniram em um cartel para reduzir artificialmente a vida útil das lâmpadas incandescentes de 2.500 horas para apenas 1.000 horas. Essa estratégia visava aumentar as vendas e gerar lucros contínuos com a necessidade constante de novas lâmpadas.

Lampada centenária

Essa lâmpada, fabricada em 1901 pela companhia norte-americana Shelby Electric Company, brilhou por 117 anos em um corpo de bombeiros na Califórnia, desafiando os princípios da obsolescência programada e se tornando um símbolo da resistência contra essa prática nociva.

Ou seja,  A longevidade da lâmpada centenária contrasta com a vida útil curta de lâmpadas modernas, muitas vezes projetadas para falhar prematuramente, impulsionando a necessidade constante de recompra.

2. Smartphones:

Em 2018, a Autoridade Italiana de Concorrência multou tanto a Apple quanto a Samsung por práticas de obsolescência programada. A Samsung foi acusada de enviar atualizações de software que causavam problemas de desempenho em dispositivos mais antigos, como o Galaxy Note

Motivo: As atualizações forçavam os consumidores a enfrentar problemas de lentidão e falhas, pressionando-os a comprar novos modelos.

Reação: A Samsung negou qualquer irregularidade, mas a decisão destacou a crescente preocupação regulatória sobre práticas de obsolescência programada.

3. Impressoras:

Os fabricantes frequentemente interrompem o suporte de software e drivers para modelos mais antigos de impressoras. Isso significa que essas impressoras não recebem mais atualizações de compatibilidade com novos sistemas operacionais ou softwares, forçando os consumidores a atualizar para modelos mais recentes.

4. Automóveis:

O caso do Ford Pinto se destaca como um dos exemplos mais emblemáticos de obsolescência programada na indústria automobilística. Produzido entre 1971 e 1980, o modelo apresentava um defeito grave no tanque de combustível, que o tornava propenso a explosões em caso de colisão traseira.

O caso do Ford Pinto teve um impacto significativo na indústria automobilística, levando a um aumento da rigidez das leis de segurança e à maior responsabilidade das empresas pela qualidade e segurança de seus produtos. O caso também gerou um debate público sobre a ética das empresas e a priorização do lucro sobre a segurança dos consumidores.

5. Moda:

A indústria da moda constantemente lança novas tendências, pressionando os consumidores a comprarem roupas novas para se manterem atualizados. Essa prática leva ao consumo excessivo e descartável, gerando impactos negativos no meio ambiente e na sociedade. Além disso, muitas peças de roupa são feitas com materiais de baixa qualidade que se desgastam rapidamente, necessitando de reposição frequente. Principalmente, a complexidade do design e a utilização de materiais frágeis dificultam o reparo de roupas, levando ao seu descarte prematuro.

6. Brinquedos:

No universo lúdico dos brinquedos, um caso emblemático de obsolescência programada marcou a infância de muitas crianças: os bonecos “Cabeça de Ovo“. Fabricados na década de 1980 pela Estrela, esses bonecos se tornaram um grande sucesso, conquistando o coração de crianças por todo o Brasil. No entanto, a alegria logo se transformou em frustração quando os donos dos bonecos descobriram um problema: seus mecanismos internos se desintegravam com o tempo, tornando-os inutilizáveis.

Combate à Obsolescência Programada

É fundamental que os consumidores estejam cientes das práticas de obsolescência programada e tomem decisões de compra conscientes, optando por produtos duráveis ​​e reparáveis.

Governos podem implementar leis mais rígidas que proíbam ou limitem as práticas de obsolescência programada, protegendo os consumidores e o meio ambiente.

Empresas que adotam práticas éticas e transparentes podem se destacar no mercado, oferecendo produtos duráveis ​​com longas garantias e peças de reposição facilmente acessíveis.

Movimento do “Direito à Reparação”: Esse movimento global defende o direito dos consumidores de reparar seus próprios produtos, combatendo a obsolescência programada e promovendo a economia circular.

Continue o raciocínio...

Deixe sua impressão

Respostas

Relacionados

Traduzir »
logo 123 ecos