MOVIMENTO EU SOU ECO

ECOANDO A SUSTENTABILIDADE

ECOPÉDIA

Enciclopédia da Sustentabilidade

O que é energia nuclear, como ela funciona e quais impactos?

Energia nuclear
Saiba o que é energia nuclear, como é gerada, seus principais usos e quais os impactos na sustentabilidade do planeta. Será que vale a pena?

Tempo estimado de leitura: 15 minutos

Entenda a energia nuclear: o que é, como funciona, principais tipos e seus impactos na sustentabilidade

Na busca por entender o universo ao nosso redor, a humanidade tem descoberto e explorado uma série de formas de energia. Entre os diversos tipos de geração de energia, uma das mais poderosas e intrigantes é a energia nuclear, porém que ainda gera dúvida no quesito de sustentabilidade.

Seja alimentando nossos lares e indústrias, impulsionando navios e submarinos ou auxiliando em pesquisas e diagnósticos médicos, a energia nuclear tem inúmeros usos.

Mas, o que exatamente é essa forma de energia? Onde ela pode ser usada? E quais são os impactos da geração de energia nuclear em nosso planeta e na sustentabilidade?

Neste artigo, vou responder a todas essas perguntas, explorando a fascinante e complexa realidade da energia nuclear.

Então, vamos lá?

Usina de geração de energia nuclear
A energia nuclear, apesar de importante, causa impactos na sustentabilidade

O que é energia nuclear?

A energia nuclear, de maneira simples, é a energia liberada em uma reação nuclear, onde ocorrem alterações nos núcleos dos átomos.

Esse tipo de energia é incrivelmente potente. Na verdade, é tão potente que uma pequena quantidade de material nuclear pode fornecer uma grande quantidade de energia com diferentes tipos de usos.

Por exemplo, um único quilograma de urânio, quando usado em uma usina nuclear, pode produzir a mesma quantidade de eletricidade que a queima de 3.000 toneladas de carvão!

Vantagens e desvantagens da energia nuclear

A energia nuclear apresenta vantagens e desvantagens significativas que precisam ser cuidadosamente ponderadas ao avaliar seu papel na matriz energética global. É crucial considerar os impactos ambientais, os riscos à segurança, os desafios de gerenciamento de resíduos e as preocupações com a proliferação nuclear, além dos benefícios da geração de energia limpa, confiável e de baixo custo.

A decisão sobre o uso da energia nuclear deve ser tomada de forma transparente e democrática, com base em avaliações científicas rigorosas, debates públicos amplos e a participação de todas as partes interessadas. É fundamental buscar soluções inovadoras para os desafios da energia nuclear, como o desenvolvimento de tecnologias de reatores mais seguros e eficientes, o aperfeiçoamento de métodos de armazenamento de resíduos e o investimento em pesquisa para a fusão nuclear, que tem o potencial de ser uma fonte de energia limpa e segura no futuro.

Vantagens da Energia nuclear

1. Fonte de Energia Limpa: Ao contrário dos combustíveis fósseis, a energia nuclear não emite gases de efeito estufa durante a geração de eletricidade, contribuindo para a mitigação das mudanças climáticas. Ela não produz poluição atmosférica local, como fuligem ou material particulado, que prejudicam a saúde respiratória e o meio ambiente.

2. Alta Densidade Energética: Pequenas quantidades de material nuclear podem gerar grandes quantidades de energia, tornando-a uma fonte de energia altamente eficiente e compacta. Isso significa que usinas nucleares ocupam menos espaço em comparação com outras fontes de energia renovável, como usinas eólicas ou solares, que exigem grandes áreas para gerar a mesma quantidade de eletricidade.

3. Confiabilidade e Geração Contínua: Usinas nucleares operam independentemente das condições climáticas, fornecendo um suprimento constante e confiável de eletricidade 24 horas por dia, 7 dias por semana. Isso as torna ideais para complementar fontes renováveis intermitentes, como energia solar e eólica, que dependem da disponibilidade do sol e do vento.

4. Baixo Custo Operacional: Após o alto investimento inicial na construção de uma usina nuclear, os custos operacionais são relativamente baixos, pois o urânio, o principal combustível nuclear, é abundante e acessível. Isso garante preços estáveis de eletricidade ao longo da vida útil da usina, que pode chegar a 60 anos ou mais.

5. Segurança Aprimorada: A tecnologia nuclear evoluiu significativamente desde os primeiros dias, com medidas de segurança robustas implementadas para minimizar o risco de acidentes. Usinas nucleares modernas são projetadas com múltiplos sistemas de segurança redundantes para evitar falhas e conter qualquer liberação radioativa em caso de eventos extremos.

Desvantagens da energia nuclear

1. Resíduos Radioativos: A geração de energia nuclear produz resíduos radioativos de alta atividade que precisam ser armazenados e gerenciados com segurança por milhares de anos. A falta de soluções definitivas para o armazenamento permanente desses resíduos representa um desafio significativo e uma preocupação ambiental a longo prazo.

2. Risco de Acidentes: Apesar das medidas de segurança aprimoradas, acidentes em usinas nucleares podem ter consequências devastadoras, como o desastre de Chernobyl em 1986 e o de Fukushima em 2011. Esses eventos causaram danos ambientais extensos, riscos à saúde pública e deslocamentos populacionais.

3. Proliferação Nuclear: O uso da tecnologia nuclear para fins pacíficos também gera preocupações com a proliferação nuclear, ou seja, o risco de que materiais e conhecimentos nucleares sejam utilizados para o desenvolvimento de armas nucleares por países ou grupos mal-intencionados.

4. Alto Custo Inicial: A construção de uma usina nuclear exige um investimento inicial extremamente alto, devido à complexa tecnologia e aos rigorosos requisitos de segurança. Essa barreira financeira torna a energia nuclear menos acessível para muitos países, especialmente nações em desenvolvimento.

5. Descarte de Usinas Nucleares: O desmantelamento e a desativação de usinas nucleares ao final de sua vida útil representam um desafio técnico e logístico complexo, exigindo expertise especializada e medidas rigorosas para garantir a segurança e a proteção ambiental durante o processo.

Tipos de Energia Nuclear: Como a energia nuclear é gerada?

A geração de energia nuclear acontece principalmente por dois processos: a fissão nuclear e a fusão nuclear.

Pode parecer complicado, mas vamos simplificar. Imagine um átomo, que é como um pequeno universo em si mesmo. Ele tem um núcleo central, cercado por partículas menores chamadas elétrons, que giram em torno dele. Dentro do núcleo, existem partículas chamadas prótons e nêutrons. Atualmente já existem diversos tipos de energia nuclear, tais como:

Geração de Energia Nuclear por Fissão Nuclear

Na fissão nuclear, que é o tipo de reação que ocorre nas usinas nucleares, o núcleo de um átomo pesado, como o urânio ou o plutônio, é dividido em dois ou mais fragmentos menores.

Nesse processo, uma grande quantidade de energia é liberada. A energia liberada na fissão de um único átomo de urânio é minúscula, mas a quantidade de energia liberada em uma grande quantidade de urânio é suficiente para produzir eletricidade.

Geração de Energia Nuclear por Fusão Nuclear

Por outro lado, a fusão nuclear é o processo pelo qual dois átomos leves, geralmente hidrogênio ou seus isótopos (deutério e trítio), se juntam para formar um átomo mais pesado (hélio), liberando uma quantidade enorme de energia no processo.

Esta é a reação que alimenta o sol e outras estrelas. Mas, ainda estamos tentando dominá-lo para produção de energia aqui na Terra.

Outras formas de energia nuclear

Captura de elétrons: 

A captura de elétrons é um processo no qual um elétron é capturado por um núcleo atômico. Esse processo libera um raio-X e uma pequena quantidade de energia. A captura de elétrons é usada em algumas aplicações médicas, como a tomografia por emissão de pósitrons (TEP).

Desintegração beta: 

A desintegração beta é um processo no qual um nêutron no núcleo atômico se desintegra em um próton e um elétron. Esse processo libera um elétron e um antineutrino. Algumnas aplicações médicas utilizam a desintegração beta, como, por exemplo, a terapia com radioisótopos.

Desintegração alfa: 

Na desintegração alfa, um núcleo atômico emite uma partícula alfa, composta por dois prótons e dois nêutrons. Esse processo libera a partícula alfa e um núcleo filho com dois prótons e dois nêutrons a menos. Por exemplo, alguns detectores de fumaça usam a desintegração alfa.

Energia nuclear por desintegração alfa

Usos da energia nuclear

A energia nuclear, por ser extremamente potente, tem uma série de aplicações e usos, muito além da produção de eletricidade em usinas nucleares. Por exemplo:

Medicina: Por exemplo: a radioterapia usa a energia nuclear. Esta é uma técnica usada para tratar vários tipos de câncer, que utiliza a energia de partículas nucleares para destruir células cancerosas. Além disso, os isótopos radioativos são frequentemente usados para diagnosticar uma série de condições médicas.

Astronáutica: Exemplos: as espaçonaves e sondas espaciais. usam a energia nuclear. Os geradores termoelétricos de radioisótopos (RTGs) são dispositivos que usam a energia liberada pelo decaimento radioativo de certos isótopos para gerar eletricidade. Dispositivos comumente usados em várias missões da NASA, como a Voyager e a Mars Rover.

Pesquisa Científica: os aceleradores de partículas usam a energia nuclear para acelerar partículas a velocidades muito altas e depois colidi-las. Essas colisões ajudam os cientistas a entender melhor a natureza fundamental do universo.

Propulsão Naval: Submarinos e navios de guerra, especialmente aqueles usados por grandes potências militares, muitas vezes usam reatores nucleares para propulsão. A energia nuclear permite que esses navios operem por longos períodos sem a necessidade de reabastecer.

Então, percebe a versatilidade da energia nuclear? Mas, neste artigo, vamos focar em um uso específico: a produção de eletricidade por uma usina nuclear.

a energia nuclear tem diferntes tipos de usos
A energia nuclear tem diferentes aplicações

Como funciona uma usina nuclear?

Como eu citei, é por meio da fissão nuclear que estas usinas funcionam. Mais especificamente, tudo começa com um átomo de urânio-235, um isótopo de urânio muito comum para o uso em reatores nucleares. Um nêutron, partícula subatômica sem carga elétrica, colide com este átomo de urânio-235.

Quando isso acontece, o átomo de urânio se divide, liberando uma quantidade incrível de energia na forma de calor. Mas, além disso, também libera mais nêutrons, que então colidem com outros átomos de urânio, criando uma reação em cadeia. Esta é a essência da fissão nuclear.

Depois, vem a produção de vapor. A energia liberada na forma de calor é usada para aquecer água. Isso acontece em um componente da usina chamado de gerador de vapor. O calor do processo de fissão aquece a água até que se torne vapor.

Esse vapor produzido tem alta pressão e utilizado para girar uma turbina. A turbina, por sua vez, está ligada a um gerador de energia elétrica. Conforme a turbina gira, o gerador converte essa energia mecânica em eletricidade. Então é nessa hora que acontece a geração de energia.

Por fim, acontece o resfriamento. Ou seja, após mover a turbina, o vapor, resfriado e condensado volta para a água em um condensador, então, reutilizado no processo.

O resfriamento é uma etapa crítica, porque se a usina ficar muito quente, pode haver problemas, como o derretimento do núcleo do reator, conhecido como fusão nuclear, que pode levar a liberação de radioatividade.

Aliás, o controle preciso e cuidadoso deste processo é fundamental para garantir a segurança da usina nuclear, porque uma reação em cadeia descontrolada pode levar a liberação de radiação e acidentes nucleares, como o ocorrido na usina de Chernobyl.

Geração de energia nuclear em uma usina

Chernobyl: uma lembrança de perigo nuclear

O desastre de Chernobyl é um dos mais trágicos e alarmantes exemplos do que pode dar errado com a energia nuclear.

Ocorrido em 26 de abril de 1986, em Pripyat, na Ucrânia (na época parte da União Soviética), este acidente é considerado o mais catastrófico na história da energia nuclear.

O desastre foi resultado de uma combinação de falhas de projeto e erro humano. Durante um teste para ver como a planta responderia a uma queda de energia, os operadores da usina desligaram sistemas de segurança vitais, incluindo o sistema de resfriamento de emergência. Isso levou a uma sobrecarga de energia, causando explosões e um incêndio que durou por 10 dias.

As explosões lançaram grandes quantidades de partículas radioativas na atmosfera, que se espalharam por uma grande área da Europa. As consequências imediatas foram a morte de 31 pessoas e a evacuação de 116 mil, mas a liberação de radioatividade teve impactos de longo prazo, aumentando a incidência de câncer e outras doenças em pessoas que viviam na área afetada.

As áreas circundantes de Chernobyl permanecem contaminadas e em grande parte inabitáveis. A natureza começou a reocupar essas áreas, mas a vida selvagem também sofre os efeitos da radiação.

Chernobyl é um lembrete sombrio do potencial perigo da energia nuclear se não for gerenciada corretamente. Os acidentes nucleares, embora raros, têm consequências graves e duradouras para a saúde humana e o meio ambiente.

Usina de Chernobyl
Vista da usina de Chernobyl apenas três dias depois da explosão

A energia nuclear e a sustentabilidade: uma relação complexa

De uma perspectiva puramente climática, a energia nuclear tem a capacidade de fornecer grandes quantidades de energia sem a emissão direta de gases de efeito estufa, diferentemente dos combustíveis fósseis. Isso a torna uma opção atrativa para a redução da pegada de carbono global.

A energia nuclear responde por cerca de 10% da eletricidade mundial. Além disso, segundo o World Nuclear Association, as usinas nucleares em todo o mundo evitam a emissão de cerca de 2 bilhões de toneladas de CO2 por ano, que seriam produzidos se a mesma quantidade de energia fosse gerada a partir de combustíveis fósseis.

No entanto, a questão da sustentabilidade da energia nuclear vai além da questão do clima. Ela é complexa e envolve outros aspectos ambientais, sociais e econômicos que são menos favoráveis.

O primeiro aspecto negativo são os resíduos nucleares. A geração de energia nuclear resulta na produção de resíduos altamente radioativos que permanecem perigosos por milhares de anos. Estes resíduos necessitam de um manuseio e armazenamento seguros a longo prazo, o que representa um grande desafio.

Poluição do Solo- O que é, causas, principais poluentes e consequências

Por exemplo, o Brasil possui duas usinas nucleares, Angra 1 e Angra 2, e o gerenciamento de resíduos nucleares é uma questão crítica.

Em segundo lugar, a energia nuclear tem como outro impacto o risco de acidentes catastróficos. O desastre na usina de Chernobyl, por exemplo, ilustra o que pode dar errado. Embora a tecnologia e os regulamentos de segurança tenham melhorado significativamente desde Chernobyl, o risco, embora reduzido, ainda persiste.

Em termos econômicos, a energia nuclear também causa muitos impactos. As usinas nucleares são extremamente caras para construir e descomissionar. Além disso, o custo da gestão de resíduos nucleares e da descontaminação de locais de acidentes nucleares pode ser enorme.

Vale a pena o risco?

Portanto, embora a energia nuclear possa desempenhar um papel na luta contra as mudanças climáticas, com diversos tipos de usos, a sua contribuição para a sustentabilidade a longo prazo é incerta.

Por isso os riscos, os custos e os impactos associados à energia nuclear devem ser cuidadosamente pesados contra os seus benefícios potenciais.

E então eu te pergunto: você acha que vale a pena investir nesse tipo de geração de energia?

Continue o raciocínio...

Deixe sua impressão

Respostas

Traduzir »
logo 123 ecos