MOVIMENTO EU SOU ECO

ECOANDO A SUSTENTABILIDADE

ECOPÉDIA

Enciclopédia da Sustentabilidade

A Revolução Verde, impactos positivos e negativos

Revolução Verde
Revolução Verde e agronegócio, história, consequências, pontos positivos e negativos, impactos na agricultura no meio ambiente, na economia

Tempo estimado de leitura: 21 minutos

A Revolução Verde foi um período de grande modernização da agricultura, iniciado na década de 1950, que impulsionou a produção de alimentos em todo o mundo. Através de inovações tecnológicas e políticas públicas, a Revolução Verde transformou a forma como cultivamos alimentos, alimentando bilhões de pessoas e contribuindo para a segurança alimentar global. Neste artigo, vamos estudar analisar os impactos positivos e negativos da revolução verde e do agronegócio.

Para saber a história da Revolução Verde: História da Revolução Verde e da Transformação Agrícola Global (Abre numa nova aba do navegador)

Impactos positivos da Revolução verde

1. Aumento da Produtividade Agrícola

É inegável que o desenvolvimento de novas variedades de sementes de cereais como trigo, arroz e milho, com maior resistência a doenças, pragas e condições climáticas adversas, além de maior produtividade, impulsionou significativamente a produção agrícola. Sim, podemos dizer que no início da revolução verde, o uso de fertilizantes sintéticos forneceu aos solos nutrientes essenciais para o crescimento das plantas, otimizando a produção e a qualidade das colheitas.

A princípio, o desenvolvimento de agrotóxicos sintéticos permitiu o controle eficaz de pragas e doenças, minimizando perdas na colheita e aumentando a produtividade geral. Bem como, a introdução de máquinas agrícolas, como tratores e colheitadeiras, otimizou o processo de produção, aumentando a eficiência e a produtividade, além de reduzir o trabalho manual e a necessidade de mão de obra.

Comparação – produção de antes e depois da Revolução Verde

1960:

  • População mundial: Aproximadamente 3 bilhões de pessoas.
  • Produção de grãos: Cerca de 2 bilhões de toneladas.
  • Rendimento médio de grãos: Aproximadamente 1,3 toneladas por hectare.

2024:

  • População mundial: Aproximadamente 8 bilhões de pessoas.
  • Produção de grãos: Cerca de 8 bilhões de toneladas.
  • Rendimento médio de grãos: Aproximadamente 4 toneladas por hectare.

Revolução verde - agrotóxicos
Revolução verde – agrotóxicos

2. Segurança Alimentar e Combate à Fome

Também é fato que o cenário pré-Revolução Verde era marcado pela fome e pela insegurança alimentar em diversas regiões do mundo. A Segunda Guerra Mundial havia devastado a infraestrutura agrícola e a produção de alimentos não acompanhava o crescimento populacional. Em suma, a produção agrícola, severamente afetada, levou à fome generalizada e assim aumentou a demanda por alimentos.

Assim, a Revolução Verde foi como um milagre para a espécie humana porque resultou em um aumento exponencial da produção de alimentos, garantindo a segurança alimentar para bilhões de pessoas em todo o mundo.

Além disso, a disponibilidade de maior quantidade de alimentos a preços mais acessíveis contribuiu para a erradicação da fome em diversas regiões do mundo, principalmente em países em desenvolvimento.

Enfim, o aumento da produção de alimentos e a diversificação da dieta possibilitaram uma melhor nutrição para a população em geral, especialmente para crianças e grupos vulneráveis.

3. Modernização da Agricultura

A Revolução Verde impulsionou a modernização da agricultura, com a adoção de novas tecnologias e práticas agrícolas mais eficientes. Com a mecanização, o uso de fertilizantes e agrotóxicos e a introdução de novas variedades de sementes otimizaram o processo de produção, aumentando a eficiência e a produtividade da agricultura. Portanto, a mecanização e a modernização da agricultura também contribuíram para a melhoria das condições de trabalho no campo, reduzindo o trabalho manual e a exposição a riscos.

Além disso, vale lembrar que a mecanização da agricultura liberou mão de obra do campo para outros setores da economia, impulsionando o desenvolvimento industrial e de serviços.

Progresso agrícola revolução verde
Progresso agrícola revolução verde

4. Redução da Pobreza

O aumento da produção e da produtividade agrícola gerou um aumento na renda de alguns dos agricultores que enriqueceram, contribuindo para a redução da pobreza rural. Além disso, a modernização da agricultura e o crescimento da agroindústria geraram novos empregos em diversos setores, impulsionando o desenvolvimento econômico local e regional.

Assim, o aumento da renda e a criação de empregos proporcionaram uma melhor qualidade de vida para as comunidades rurais, com acesso a educação, saúde e outros serviços básicos.

5. Impacto na Economia Global

Então, a Revolução Verde contribuiu para o aumento do PIB agrícola em diversos países (por exemplo o Brasil), impulsionando o crescimento econômico geral. Assim, o aumento da produção de alimentos permitiu a expansão do comércio internacional de produtos agrícolas, beneficiando exportadores e importadores.

Enfim, a Revolução Verde garantiu a segurança alimentar global, evitando crises alimentares e instabilidades políticas e sociais.

Impactos negativos da Revolução Verde

A Revolução Verde, apesar de seus inegáveis benefícios na produtividade agrícola e na segurança alimentar, também trouxe consequências inesperadas que lançam uma sombra sobre seu legado. Uma das mais preocupantes é a degradação ambiental, causada pelo uso excessivo de agrotóxicos e fertilizantes químicos. Agora vamos analisar o lado sombrio da abundância.

Degradação ambiental

O uso excessivo de agrotóxicos e fertilizantes químicos, pilares da Revolução Verde, gerou impactos negativos no meio ambiente, por exemplo:

Os agrotóxicos e os fertilizantes se infiltram no solo e contaminam os lençóis freáticos, afetando a qualidade da água potável e prejudicando a vida aquática.

Assim, o uso excessivo de fertilizantes químicos esgota os nutrientes do solo, tornando-o menos fértil e improdutivo a longo prazo.

Desafios da agricultura
Agrotóxico é veneno, cuidado não passe perto e nem coma. Leia: Agrotóxicos e pesticidas: um risco à saúde humana

Além disso, a monocultura de variedades de sementes geneticamente uniformes, comum na Revolução Verde, reduz a biodiversidade agrícola. Isso torna os sistemas mais vulneráveis a pragas e doenças.

Mais que isso, a exposição a agrotóxicos causa diversos problemas de saúde, como doenças respiratórias, câncer e problemas neurológicos.

Exemplos de Impactos Ambientais:

O uso excessivo de fertilizantes nitrogenados contribuiu para a contaminação por nitratos da água potável em diversas regiões do mundo, como na Europa e nos Estados Unidos.

O escoamento de nutrientes do solo para os cursos d’água, causado pelo uso excessivo de fertilizantes, levou à eutrofização. Ou seja, um fenômeno que provoca o crescimento excessivo de algas e a morte da vida aquática.

Entenda o que é eutrofização e seus impactos ambientais

Entenda o que é eutrofização e seus impactos ambientais (abre em outra janela para você ler depois)

Perda da biodiversidade

A busca por alta produtividade na Revolução Verde incentivou a monocultura, o cultivo de uma única variedade de planta em uma grande área. Essa prática, embora eficiente a curto prazo, apresentou um custo ambiental elevado.

Perda de Variedades de Plantas:

  • Global: Estima-se que 75% das variedades tradicionais de plantas foram perdidas desde a Revolução Verde.
  • Culturas: Algumas culturas, como o arroz, sofreram perdas ainda mais expressivas, com o declínio de 90% das variedades tradicionais.

Com o foco em poucas variedades de sementes, a rica diversidade genética de plantas cultivadas foi drasticamente reduzida. Isso torna os sistemas agrícolas mais vulneráveis a doenças e pragas, pois a falta de diversidade genética limita as opções para o desenvolvimento de novas variedades resistentes.

Ou seja, as monoculturas fornecem um ambiente ideal para a proliferação de pragas e doenças. Afinal, a falta de diversidade impede que as plantas compitam entre si e limitem o crescimento de organismos nocivos.

Além disso, a Revolução Verde levou ao abandono de muitas variedades tradicionais de plantas, adaptadas às condições locais e detentores de características únicas, como resistência a pragas e doenças. Essa perda representa um empobrecimento cultural e um retrocesso na busca por soluções agrícolas sustentáveis.

O Bioma Amazônia: Paraíso de Biodiversidade em Perigo

O Bioma Amazônia: Paraíso de Biodiversidade em Perigo (abre em outra janela para você ler depois)

Exemplo da Perda da Biodiversidade:

  • A monocultura e o uso excessivo de agrotóxicos na Revolução Verde contribuíram para o declínio de polinizadores como abelhas e borboletas, essenciais para a reprodução de diversas plantas e para a produção de alimentos.


Revolução verde e a Sede: Um Desafio Global

A agricultura é o setor que mais consome água no mundo, respondendo por cerca de 70% da captação total de água doce. Essa demanda por água se intensifica em um contexto de mudanças climáticas, que levam à escassez de água em diversas regiões do planeta. Para entender melhor a situação, vamos analisar alguns números:

Consumo de Água na Agricultura:

  • Global: A agricultura consome 1.320 trilhões de litros de água por ano, o equivalente a 3.61 bilhões de litros por segundo.
  • Brasil: O Brasil é o país que mais consome água na agricultura no mundo, com um consumo anual de 515 bilhões de metros cúbicos, o equivalente a 14.14 milhões de litros por segundo.

Eficiência no Uso da Água:

  • eficiência média global no uso da água na agricultura é de apenas 33%, o que significa que 2 de cada 3 litros de água captados para irrigação são perdidos por evaporação, infiltração ou escoamento.
  • Brasil apresenta uma eficiência média de 53%, o que o coloca em uma posição melhor que a média global, mas ainda com grande potencial para melhorar porque, só na agricultura desperdiça cerca de 200 bilhões de litros por ano.

Como a ação humana tem reduzido os recursos hídricos?

Como a ação humana tem reduzido os recursos hídricos? (abre em outra janela para você ler depois)

Abandono de Terras: Uma Cicatriz na Paisagem e na Economia

O uso excessivo de recursos naturais na agricultura, como água, solo e agrotóxicos, pode levar à degradação ambiental e ao abandono de terras. Esse problema afeta diversas regiões do mundo e gera impactos negativos na produtividade agrícola, na segurança alimentar e na economia. Para entender melhor a situação, vamos analisar alguns números:

Escala do Abandono de Terras:

  • Global: Estima-se que 33% das terras agrícolas do mundo estejam degradadas em algum nível, o que representa cerca de 2 bilhões de hectares.
  • Brasil: No Brasil, 28 milhões de hectares de terras agrícolas já foram abandonadas, o equivalente a 3,5% da área total cultivada no país.

Causas do Abandono de Terras:

Erosão do solo: O uso inadequado do solo, como o cultivo em declives sem técnicas de conservação, leva à erosão, reduzindo a fertilidade do solo e tornando-o improdutivo.

Salinização: A irrigação excessiva com água salobra pode levar à salinização do solo, tornando-o impróprio para o cultivo da maioria das plantas.

Contaminação por agrotóxicos: O uso excessivo de agrotóxicos pode contaminar o solo e a água, tornando-os impróprios para a agricultura e para o consumo humano.

Mudanças climáticas: Eventos climáticos extremos, como secas e inundações, podem tornar as terras agrícolas improdutivas, levando ao abandono.

Desertificação do Solo: O que é, causas e como podemos evitá-la

Desertificação do Solo: O que é, causas e como podemos evitá-la (abre em outra janela para você ler depois)

Desigualdade social – impactos da revolução verde 

As novas tecnologias e recursos da Revolução Verde, como sementes de alto rendimento, fertilizantes químicos e máquinas agrícolas, exigiram investimentos significativos. Essa realidade criou uma barreira para os pequenos agricultores, que muitas vezes não tinham acesso a capital, crédito e infraestrutura para adotar as novas práticas:

Grandes produtores, com acesso a recursos financeiros e tecnologia, foram os principais beneficiados da Revolução Verde, expandindo suas áreas de cultivo e aumentando sua produtividade. Isso levou à concentração de terras e poder no campo, aprofundando a disparidade social e a exclusão de pequenos agricultores.

Concentração de Terras e Riqueza:

  • Global: 1% dos maiores proprietários de terras detém mais da metade da terra arável do mundo.
  • Brasil: O Brasil é um dos países com maior concentração de terras do mundo, com 0,1% dos proprietários detendo 45% das terras agrícolas.

Aumento da Pobreza Rural:

  • Global: Estima-se que 70% dos pobres do mundo vivem em áreas rurais.
  • Brasil: A pobreza rural no Brasil ainda é um problema grave, com 12,5 milhões de pessoas vivendo na pobreza no campo em 2020.

Empobrecimento e êxodo rural: A dificuldade dos pequenos agricultores em competir com os grandes produtores os levou ao empobrecimento e à migração para as cidades em busca de melhores oportunidades. Esse êxodo rural contribuiu para o declínio das comunidades rurais e para a perda de conhecimentos tradicionais agrícolas.

Exploração da mão de obra: A mecanização da agricultura na Revolução Verde reduziu a demanda por mão de obra no campo. Isso levou ao desemprego e à exploração dos trabalhadores rurais que ainda permaneciam na atividade.

Exemplos da Desigualdade Social:

Entre 1950 e 2000, a concentração de terras na América Latina se intensificou, com 1% da população detendo 46% das terras agrícolas. Por exemplo: nas décadas de 1960 e 1970, a Revolução Verde na Índia levou ao êxodo rural de milhões de pequenos agricultores, em busca de melhores oportunidades nas cidades.

Assim como as condições precárias de trabalho e a baixa remuneração dos trabalhadores rurais no Brasil são problemas persistentes, mesmo após a Revolução Verde.

Desigualdade Social: quais os fatores da pobreza no Brasil?

Desigualdade Social: quais os fatores da pobreza no Brasil? (abre em outra janela para você ler depois)

Caminhos para a Justiça Social no Campo:

Para garantir a justiça social no campo e promover o desenvolvimento rural sustentável, é necessário:

Implementar políticas públicas que apoiem os pequenos agricultores, como acesso a crédito, assistência técnica e infraestrutura, para que possam competir de forma justa no mercado. Além disso, promover a reforma agrária para distribuir terras de forma mais equitativa e garantir o acesso à terra para pequenos agricultores.

Fortalecer a agricultura familiar, que representa a maior parte da produção de alimentos no mundo e que contribui para a preservação da biodiversidade e dos conhecimentos tradicionais.

Principalmente, apoiar a organização dos trabalhadores rurais para que possam reivindicar seus direitos e melhores condições de trabalho.

Perda da identidade cultural – impactos da revolução verde

Impactos da revolução verde – A Padronização e o Silêncio dos Saberes Ancestrais:

A busca por alta produtividade na Revolução Verde incentivou a padronização da produção agrícola, com o uso de técnicas agrícolas industrializadas. Essa padronização, embora eficiente a curto prazo, apresentou um custo cultural elevado.

Por exemplo:

A padronização da produção agrícola levou ao declínio de variedades tradicionais de plantas, adaptadas às condições locais. Essas plantas eram detentoras de características únicas, como sabor, aroma e propriedades medicinais. Essa perda representa um empobrecimento cultural e um retrocesso na valorização da diversidade alimentar.

A industrialização do campo, com o uso extensivo de máquinas e agrotóxicos, levou ao abandono de práticas agrícolas tradicionais trasmitidas de geração em geração. Afinal, nossos antepassados carregavam consigo conhecimentos valiosos sobre o manejo da terra, a preservação do meio ambiente e a relação com a natureza.

A padronização e industrialização geraram cultura alimentar homogênea, com perda da culinária local e ingredientes tradicionais.

Exemplos do impacto da Revolução Verde na Perda da Identidade Cultural

A Revolução Verde levou ao declínio de mais de 75% das variedades tradicionais de arroz na Ásia, em favor de variedades de alto rendimento. Principalmente com menor sabor e valor cultural.

A industrialização da agricultura no México levou ao abandono de técnicas tradicionais de irrigação e manejo do solo. Técnicas que eram essenciais para a preservação da biodiversidade e da fertilidade do solo.

A padronização da produção de trigo e a industrialização do processamento de massas na Itália levaram à perda da diversidade de massas e pães tradicionais.

História da Agricultura: o problema que precisa ser repensado (Abre numa nova aba do navegador)

O Negócio além do Agronegócio

Bem, a história da Revolução Verde, que originou o agronegócio, prometia acabar com a fome no mundo. Certo? Parece que não, pois nem chegou perto de resolver esse problema, muito pelo contrário.

Agronegócio no Brasil pontos positivos e negativos
Revolução Verde – lucro acima de tudo?

Você sabia?

O agronegócio e suas tecnologias aplicadas contribuíram significativamente para a elevação dos níveis de pobreza e subnutrição em países como o Brasil. Mas, como, se a produção aumentou tanto?

Um impacto negativo direto foi a ineficiência do uso de fertilizantes no Brasil. Mas, como assim, se o uso de fertilizantes só aumenta?

Inadequação tecnológica

Vou te explicar melhor.

Os solos brasileiros são altamente intemperizados, de intensa atividade microbiana e possuem regiões de muita chuva. Quando se transferiu as práticas e tecnologias de fertilização do solo, de países de clima temperado para países tropicais, por aqui não deu muito certo, porque as características dos lugares são bem diferentes.

Então, por conta desta inadequação tecnológica, grandes quantidades de nutrientes aplicados via fertilizante acabam sendo perdidas. Isso causa a ineficiência do uso desses insumos na agricultura brasileira, ou seja, está ainda muito abaixo do desejável: entre 50 a 70% para o nitrogênio, de 15 a 50% para fósforo e de 50 a 70% para o potássio.

Ou seja, além de se utilizar fertilizantes químicos, que são altamente prejudiciais à saúde humana e ambiental, contaminando os alimentos que comemos todos os dias, eles ainda são mal utilizados e ineficientes.

A História dos Agrotóxicos e da revolução verde: venenos descobertos na segunda guerra mundial

A História dos Agrotóxicos: venenos descobertos na segunda guerra mundial

Lucro primeiro, problemas depois?

É verdade que essa explosão de produtividade proporcionou aos países em desenvolvimento, como o Brasil, a elevação de suas exportações agrícolas. E foi assim que a chamada Revolução Verde reenquadrou os países ditos de terceiro mundo dentro da nova organização internacional do trabalho, como países agroexportadores e do agronegócio.

Os países de terceiro mundo passaram assim a produzir grãos que tinham e tem como destino a alimentação de bovinos e suínos em países desenvolvidos. Dessa forma, surgiu o conhecido agronegócio. 

O impulso econômico da revolução verde e do agronegócio

Então, o agronegócio, dado o fato de que o pagamento por essas exportações era e é feito em dólares, foi benéfico, o que promoveu um bom balanço no fluxo de divisas para o Brasil. Além disso, representou uma oportunidade para atrair investidores e alavancar o PIB. 

Então, a Revolução Verde, através do agronegócio prometia criar novos paradigmas na produção de alimentos no mundo, geraria renda, empregos e auxiliaria no desenvolvimento econômico e social das nações terceiro-mundistas. E ainda de quebra prometia eliminar a fome no mundo.

Maravilha! A proposta era mágica e parecia estar dando certa. Mas só parecia porque ninguém queria ou quer falar das desvantagens da revolução verde e do agronegócio. Porém, quando se tratava e se trata de crescimento financeiro, os impactos e as desvantagens do agronegócio são ignorados e aí só se fala das vantagens da revolução verde.

Comparação dos impactos positivos e negativos da Revolução Verde

Na verdade, quando paramos para analisar, vemos que os impactos negativos da revolução verde com o agronegócio foram muito maiores que os impactos positivos. Além disso, suas consequências que podemos perceber todos os dias, em tudo o que fazemos, nas cidades abarrotadas, e principalmente, com aquilo que nos alimentamos.

A Revolução Verde foi um marco na história da agricultura, mas seus impactos nem sempre foram positivos.

Busca por um futuro agrícola mais sustentável

Lembre-se: A Revolução Verde foi um capítulo importante na história da agricultura, mas não é o fim da história. A busca por um futuro agrícola mais justo, sustentável e próspero para todos é um desafio que exige a participação de todos nós.

Agroecologia: Adotar práticas agrícolas que respeitem o meio ambiente, promovam a biodiversidade e garantam a segurança alimentar de forma sustentável.

Agricultura familiar: Fortalecer a agricultura familiar, garantindo acesso a recursos, tecnologias e mercados para pequenos produtores.

Biotecnologia: Usar a biotecnologia de forma responsável e ética para desenvolver soluções que beneficiem a agricultura e o meio ambiente.

Educação ambiental: Conscientizar a população sobre a importância da agricultura sustentável e da preservação ambiental.

A Revolução Verde nos ensinou que a busca pela alta produtividade não pode ser feita à custa da saúde do planeta e do bem-estar das pessoas. O futuro da agricultura depende da nossa capacidade de conciliar a produção de alimentos com a sustentabilidade ambiental e social.

Em conclusão

A Revolução Verde e o agronegócio, embora tenham impulsionado a produtividade agrícola global, levantaram questões críticas sobre o uso excessivo de agroquímicos, a perda de biodiversidade e a degradação dos solos. Esse movimento desencadeou debates sobre a necessidade de práticas agrícolas mais sustentáveis e ecologicamente responsáveis.

Em um mundo com crescente demanda por alimentos e recursos limitados, a necessidade de um equilíbrio cuidadoso entre a produção agrícola e a conservação ambiental é mais crucial do que nunca. A busca por abordagens agrícolas mais equitativas, inovadoras e ecologicamente conscientes emerge como um imperativo para garantir a segurança alimentar, bem como a preservação dos ecossistemas no longo prazo.

Referências de pesquisa sobre a Revolução Verde

Livros:

  • “A Revolução Verde: Uma História Global” por Robert J. Gordon (2007)
  • “A Revolução Verde no Brasil por José Roberto Rodrigues Afonso (2008)
  • “O Trigo Milagroso e a Revolução Verde” por Percy M. Buzzanell (1972)
  • “Sementes da Destruição: A Revolução Verde e a Crise da Agricultura” por Vandana Shiva (1991)

Artigos:

  • “A Revolução Verde: Uma Análise Crítica” por Michael K. Dorsey (2009)
  • “Os Impactos Socioambientais da Revolução Verde” por Marcos Sorrentino (2014)
  • “A Revolução Verde e a Questão da Sustentabilidade” por Eduardo S. Brondizio (2001)

História da Revolução Verde e da Transformação Agrícola Global(Abre numa nova aba do navegador)

História da Agricultura: o problema que precisa ser repensado (Abre numa nova aba do navegador)

Sites:

Continue o raciocínio...

Deixe sua impressão

Respostas

Relacionados

Traduzir »
logo 123 ecos