MOVIMENTO EU SOU ECO

ECOANDO A SUSTENTABILIDADE

ECOPÉDIA

Enciclopédia da Sustentabilidade

Acordo de Paris – O que é, metas, desafios e resultados no Brasil

Acordo de Paris
Saiba o que é o Acordo de Paris, seus principais resultados, países envolvidos e como ele busca manter a sustentabilidade do planeta

O que é o Acordo de Paris?

O Acordo de Paris é um tratado internacional sobre mudanças climáticas e a sustentabilidade, adotado em 12 de dezembro de 2015, durante a 21ª Conferência das Partes (COP21) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), realizada em Paris, França. Ele entrou em vigor em 4 de novembro de 2016. O principal objetivo do acordo é fortalecer a resposta global à ameaça da mudança climática, mantendo o aumento da temperatura global neste século bem abaixo de 2°C acima dos níveis pré-industriais, e envidando esforços para limitar o aumento da temperatura a 1,5°C.

Acordo de Paris na COP 21
O Acordo de Paris foi firmado em 2015, durante a COP 21

Contexto Histórico do Acordo de Paris – motivos que forçaram um acordo mundial

O Acordo de Paris, assinado em 2015, é um marco histórico na luta contra as mudanças climáticas. Mas para entendermos a importância desse acordo, precisamos voltar no tempo e compreender as raízes da crise climática e os esforços anteriores para combatê-la.

1- As Raízes da Crise Climática

A queima em larga escala de combustíveis fósseis para impulsionar a industrialização intensificou a emissão de gases de efeito estufa (GEE) na atmosfera, iniciando o processo de aquecimento global.

(Vantagens e Desvantagens da Revolução Industrial – Século XVIII) (abre em outra janela para você ler depois)

Principalmente, o crescimento populacional e o modelo de desenvolvimento consumista intensificaram a exploração dos recursos naturais e a geração de resíduos, agravando os impactos ambientais.

Desmatamento: O desmatamento em larga escala, principalmente para atividades agrícolas e pecuárias, contribui significativamente para o aumento da concentração de GEE na atmosfera.

2- Conscientização e Ação Coletiva

Em 1972:

No final do século XIX e início do XX, cientistas começaram a alertar sobre os efeitos do aumento das emissões de GEE. Isso gerou a necessidade primeira grande conferência internacional para discutir os problemas ambientais globais. Ou seja, a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente (1972), mais conhecida como a Conferência de Estocolmo.

Em 1987:

Tivemos a assinatura do Protocolo de Montreal (1987) que é um acordo internacional bem-sucedido para eliminar substâncias que destroem a camada de ozônio.

Em 1992:

Estabelecimento da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), com o objetivo de estabilizar as concentrações de GEE na atmosfera em um nível que evite interferência perigosa no sistema climático.

Em 1997:

O Protocolo de Kyoto foi o primeiro grande acordo internacional juridicamente vinculativo para reduzir as emissões de GEE.

Limitações e Desafios do protocolo de Kioto

A implementação do Protocolo de Kyoto foi limitada devido à recusa dos Estados Unidos em ratificá-lo e à falta de ambição em algumas metas de redução de emissões. Apesar dos esforços, as emissões de GEE continuaram a crescer, exigindo ações mais ambiciosas e abrangentes. Além disso, ficou claro que os países em desenvolvimento são frequentemente os mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas, mas possuem menos recursos para se adaptar e mitigar os efeitos.

4- Em 2015 – Acordo de Paris – Um Novo Começo

Em 2015, a comunidade internacional se reuniu na COP 21, em Paris, reconhecendo a urgência de um novo acordo climático global. Assim, o Acordo de Paris estabelece metas ambiciosas para limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2°C, preferencialmente a 1,5°C, em relação aos níveis pré-industriais. Foram 195 países firmaram o acordo, demonstrando um compromisso global para combater as mudanças climáticas. Portanto, o acordo reconhece as diferentes capacidades e responsabilidades dos países, promovendo a justiça climática e o apoio aos países em desenvolvimento.

Principalmente, o Acordo de Paris estabelece mecanismos para a transferência de tecnologia, financiamento climático e construção de capacidades, incentivando a cooperação internacional.

Protocolo de Quioto (Kyoto): O que é, metas, negociação e críticas (Abre numa nova aba do navegador)

Significado da COP 21 e do Acordo de Paris

A COP 21 e o Acordo de Paris representam um importante passo na direção de um futuro mais sustentável no Brasil e no mundo. O acordo estabeleceu um quadro de ação global para combater as mudanças climáticas e incentiva a cooperação internacional para enfrentar este desafio global.

Acordo de Paris na ONU
Líderes de diferentes países ratificaram o Acordo de Paris

Apesar dos avanços, o sucesso do Acordo de Paris depende da implementação efetiva das metas acordadas de redução de emissões por todos os países signatários. A COP 21 não foi o fim do caminho, mas sim o início de um esforço contínuo para enfrentar a questão climática.

As Metas Ambiciosas do Acordo de Paris

O Acordo de Paris, firmado em 2015 por 195 países, estabelece um conjunto de metas ambiciosas com o objetivo de combater as mudanças climáticas e construir um futuro mais sustentável para o planeta. Principais metas:

1. Limitar o Aumento da Temperatura Global

  • Objetivo principal: Limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2°C, preferencialmente a 1,5°C, em relação aos níveis pré-industriais.

2. Aumentar a Ambição Global

  • Compromisso: cada país é responsável por apresentar sua Contribuição Nacionalmente Determinada, que estabelece metas e ações específicas de redução de emissões de gases de efeito estufa. Essas metas são revisadas e atualizadas a cada cinco anos para aumentar a ambição climática.
  • Aprimoramento contínuo: Revisão periódica das metas nacionais de redução de emissões, com o objetivo de aumentar a ambição e o ritmo das ações climáticas.
  • Cooperação internacional: Apoio mútuo entre os países para alcançar suas metas, através de transferência de tecnologia, financiamento climático e compartilhamento de melhores práticas.

3. Fortalecer a Resiliência à Mudança do Clima

  • Adaptação: Ajudar os países, especialmente os mais vulneráveis, a se adaptarem aos impactos inevitáveis das mudanças climáticas, como aumento do nível do mar, secas e eventos climáticos extremos.
  • Proteção das comunidades: Investir em infraestrutura resiliente, sistemas de alerta precoce e medidas de adaptação na agricultura, na gestão de recursos hídricos e em outros setores.
  • Perda e Dano: Estabelecer um mecanismo para lidar com perdas e danos associados aos impactos das mudanças climáticas, especialmente em países em desenvolvimento.

4. Garantir um Financiamento Adequado

  • Meta: Mobilizar US$ 100 bilhões por ano a partir de 2020 para auxiliar países em desenvolvimento em seus esforços de mitigação e adaptação às mudanças climáticas.
  • Fontes de financiamento: Diversas fontes, como investimentos públicos, privados e filantrópicos, mecanismos de mercado de carbono e doações internacionais. O Acordo de Paris estabelece o compromisso de países desenvolvidos em fornecer recursos financeiros aos países em desenvolvimento para auxiliá-los na mitigação e adaptação às mudanças climáticas. Esse financiamento é fundamental para apoiar ações de baixa emissão de carbono e construir a resiliência de comunidades vulneráveis.
  • Transparência e Acessibilidade: o acordo enfatiza a importância da transparência e da prestação de contas, exigindo que os países relatem suas emissões e os progressos realizados em direção às suas metas. Isso ajuda a garantir que as ações sejam monitoradas e que os países cumpram seus compromissos.

5. Promover a Cooperação Internacional

  • Ação conjunta: Fortalecer a cooperação internacional para enfrentar as mudanças climáticas de forma abrangente e eficaz.
  • Transferência de tecnologia: Facilitar a transferência de tecnologias limpas e eficientes para países em desenvolvimento, a preços acessíveis.
  • Desenvolvimento de capacidades: Auxiliar países em desenvolvimento a desenvolver suas capacidades para implementar políticas climáticas eficazes e gerenciar seus recursos de forma sustentável.

ODS 17 – Parcerias e Meios de Implementação – O que é, metas e desafios

Principais resultados alcançado e desafios a superar do Acordo de Paris

O Acordo de Paris apresenta uma série de resultados significativos no combate às mudanças climáticas. Alguns desses resultados incluem:

O Acordo de Paris elevou a consciência global sobre a urgência da ação climática, impulsionando debates e ações em diversos setores da sociedade. Além disso, desde a assinatura do acordo, houve um crescimento significativo na geração de energia renovável em todo o mundo, demonstrando o compromisso de países e empresas com a descarbonização da economia.

Portanto, o Acordo de Paris fortaleceu a cooperação internacional na luta contra as mudanças climáticas, criando mecanismos para o compartilhamento de tecnologias, conhecimentos e recursos.

No entanto, apesar dos avanços, ainda há desafios a serem superados para alcançar os objetivos do Acordo de Paris. É fundamental que os países intensifiquem seus esforços de redução de emissões, mobilizem recursos financeiros e fortaleçam a cooperação internacional. A participação ativa da sociedade civil, do setor privado e da academia também é crucial para a construção de um futuro mais sustentável.

O Cumprimento do Acordo e a Participação dos Países

Desde sua adoção, o Acordo de Paris tem recebido um amplo apoio e participação da comunidade internacional. Dessa forma, a grande maioria dos países ratificou o acordo, demonstrando seu compromisso com a luta contra as mudanças climáticas e a busca pela sustentabilidade.

Entretanto, alguns países têm enfrentado dificuldades em cumprir suas metas de mitigação devido a diferentes fatores. Por exemplo, questões econômicas podem limitar os recursos disponíveis para investir em tecnologias limpas e projetos de baixa emissão de carbono.

Além disso, desafios políticos, como a resistência de certos setores da economia, também podem dificultar a implementação de políticas climáticas ambiciosas.

E é importante destacar a retirada dos Estados Unidos do Acordo de Paris em 2017. Este fato gerou preocupações em relação ao alcance das metas globais, já que os americanos são um dos maiores emissores de gases de efeito estufa do planeta.

No entanto, é importante destacar que, apesar da retirada oficial dos Estados Unidos, muitos estados, cidades e empresas do país continuam comprometidos com ações climáticas e têm trabalhado para reduzir suas emissões.

Acordo de Paris atualmente

Até o momento, o Acordo de Paris continua sendo o principal acordo internacional para enfrentar as mudanças climáticas e a busca pela sustentabilidade. No entanto, existem discussões e esforços contínuos para aprimorar e fortalecer os compromissos climáticos globais.

Uma das iniciativas mais recentes é a Cúpula do Clima de Glasgow, realizada em 2021, onde os países buscaram reforçar seus compromissos para combater as mudanças climáticas.

Essa cúpula reforçou a importância contínua do Acordo de Paris e buscou estabelecer ações mais ambiciosas para limitar as emissões de gases de efeito estufa.

Temos apenas um planeta para cuidar
O Acordo de Paris ainda está em vigor para combater as mudanças climáticas

O Acordo de Paris – Lições e Inspirações para um Futuro Sustentável

Mais do que um conjunto de metas e compromissos, o acordo de Paris oferece valiosas lições e inspirações para o mundo, guiando-nos na construção de um futuro mais sustentável para todos.

1. Ação Coletiva e Cooperação Internacional

As mudanças climáticas são um desafio global que exige uma resposta global. O Acordo de Paris demonstra a importância da cooperação internacional para enfrentar um problema tão complexo e abrangente. Assim, o Acordo de paris reconhece que cada país tem diferentes capacidades e responsabilidades, promovendo a justiça climática e o apoio aos países em desenvolvimento que buscam a sustentabilidade.

Por isso, a cooperação internacional é fundamental para facilitar a transferência de tecnologias limpas e a mobilização de recursos financeiros para auxiliar países em desenvolvimento em seus esforços de mitigação e adaptação às mudanças climáticas.

2. Ambição e Compromisso

O Acordo de Paris estabelece metas ambiciosas para limitar o aquecimento global e evitar os piores impactos das mudanças climáticas. Essa ambição é essencial para inspirar ações e impulsionar a transformação necessária.

Então, Acordo de Paris prevê a revisão periódica das metas nacionais de redução de emissões, incentivando os países e o Brasil a aumentar suas ambições e acelerar o ritmo da ação climática. Principalmente, o compromisso dos países signatários com as metas do acordo serve como exemplo para outros países e setores da sociedade, inspirando-os a tomar medidas ambiciosas em prol da sustentabilidade.

3. Transparência e Prestação de Contas

O Acordo de Paris estabelece um mecanismo robusto para monitorar e relatar o progresso dos países na implementação de suas ações climáticas. Essa transparência é fundamental para garantir a responsabilização dos países, bem como promover a confiança mútua.

Além disso, a troca de informações e experiências entre os países signatários permite o aprendizado mútuo e a identificação de boas práticas, impulsionando a melhoria contínua das políticas climáticas.

Principalmente, a transparência e a prestação de contas também fortalecem o engajamento da sociedade civil, permitindo assim que os cidadãos monitorem o progresso dos governos e cobrem a implementação das metas do acordo.

4. Justiça Climática e Equidade

O Acordo de Paris reconhece que os países mais vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas são aqueles que menos contribuíram para o problema. O acordo busca promover a justiça climática, garantindo que os países em desenvolvimento tenham acesso a recursos e tecnologias para se adaptar e mitigar os efeitos das mudanças climáticas.

Enfim, o acordo de Paris reconhece a necessidade de abordar a questão da perda e dano, que se refere aos impactos irreversíveis das mudanças climáticas que já estão sendo sentidos em países em desenvolvimento.

Principalmente, a ação climática deve ser realizada de forma a respeitar os direitos humanos e promover o bem-estar das comunidades, especialmente as mais vulneráveis.

Direitos Humanos no Brasil – história, situação atual e desafios

Direitos Humanos no Brasil – história, situação atual e desafios

5. Inovação e Desenvolvimento Sustentável

A ação climática está interligada à Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, com seus 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). Ao combater as mudanças climáticas, também estamos contribuindo para um futuro mais justo, próspero e pacífico para todos.

O Acordo de Paris incentiva a pesquisa, o desenvolvimento e a implementação de tecnologias limpas e eficientes, abrindo caminho para novas oportunidades de negócios e crescimento econômico sustentável no Brasil e no mundo.

Portanto, transição para uma economia de baixo carbono deve ser justa e inclusiva, protegendo os trabalhadores e as comunidades que podem ser afetadas pelas mudanças.

ECO 92 Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento (Abre numa nova aba do navegador)

PDF do Acordo de Paris

Referências de pesquisa

Continue o raciocínio...

Deixe sua impressão

Respostas

Relacionados

Traduzir »
logo 123 ecos